A CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DA ESCOLHA RACIONAL PARA O DEBATE SOBRE O USO COMUM DOS RECURSOS NATURAIS

Nelissa Peralta

Abstract


As unidades de conservação de uso sustentado estão sendo criadas como parte da estratégia de desenvolvimento sustentável e o uso comum dos recursos é seu pressuposto principal, permitindo que a população residente faça o uso dos recursos naturais de forma coletiva. Segundo a teoria da escolha racional o uso coletivo geraria uma situação onde os atores sociais agindo de forma racional em prol de seus interesses individuais, acabariam por deteriorar seu estoque de recursos (Hardin, 1968; Olson, 1965). Tomando como ponto de partida o artigo de Hardin, o trabalho apresenta o debate teórico sobre o uso comum de recursos naturais, situando a contribuição da pesquisa sociológica para tal debate. Entre as contribuições mais importantes, Ostrom (1986, 1990) identificou um conjunto de variáveis correlacionadas positivamente com o manejo dos recursos. São elas: as características dos recursos; a natureza dos grupos que dependem dos recursos; os regimes institucionais; as relações entre o grupo e as forças externas como mercados e estado. O modelo de Hardin se aplica a situações onde os grupos coletivos são muito numerosos e não se comunicam, todos agem de forma independente, e o custo da organização ou mudança institucional é alto. Em situações de reciprocidade e interdependência, entretanto, os membros do grupo podem desenvolver normas e padrões de reciprocidade comuns, capital social necessário para resolver os dilemas impostos pelo uso comum dos recursos.

Keywords


Recursos naturais; Uso comum; Escolha racional; Natural resurces; Collective use; Rational choice



DOI: https://doi.org/10.31420/uakari.v6i1.74